sábado, abril 20, 2013

Facebook

Caros leitores

O "Arquivo Confidencial" agora está no Facebook.
Procure nossa comunidade e clique em curtir para receber as novidades na sua linha do tempo.

Utilizamos dessa medida por acharmos o compartilhamento de informações mais rápido através das redes sociais. Outro motivo é a redução de comentários anônimos ou mal educados que acontecem freqüentemente nos blogs.

Muito obrigado e um grande abraço a todos!

segunda-feira, junho 18, 2012

terça-feira, abril 24, 2012

Hermógenes - Deus Me Livre de Ser Normal

Documentário sobre vida e obra de José Hermógenes, pioneiro da Yogaterapia

"A vida de Hermógenes é um apostolado, e ele é um arquipélago de conhecimentos", diz Divaldo Franco, o médium brasileiro mais famoso no mundo. O depoimento está no documentário Deus Me Livre de Ser Normal, do fotógrafo Marcelo Buainain, sobre a vida do professor.

O filme traz falas de alunos e amigos como Chico Xavier, Elba Ramalho e o escritor Pierre Weil. Amigo de longa data, o teólogo Leonardo Boff diz que Hermógenes é "um dos anjos bons do Brasil". Os dois se conheceram em 1971, período em que Boff lançava Jesus Cristo Libertador, fundando a Teologia da Libertação. De lá para cá, estiveram juntos em palestras pelo país. "Jamais pratiquei ioga, mas temos em comum a busca de um Deus interior", diz o teólogo.

"Sou egoísta e ainda tenho orgulho de convencer as pessoas. Sinto prazer no aplauso. Não deveria mais sentir isso", afirma. A idade avança e Hermógenes diz não sentir medo da morte: "Dão ênfase ao que a ioga faz com o corpo, esquecendo-se do autoconhecimento. Um dia a idade vem, trazendo o envelhecimento deste corpo, o sofrimento. Quando a vida se torna desagradável, a morte é como a sineta da escola. Vai começar o recreio!".

Fonte
http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG80086-6014-496,00.html




"Curar-se não é deixar de sentir sintomas, mas trocar 
repressão por compreensão; 
ignorância por sabedoria; 
ansiedade por contentamento; 
psicodelismo por alegria tranqüila; 
alienação por autoconhecimento; 
desespero por coragem; 
regressão por evolução; 
erotismo por amor; 
fadiga por energia; 
ódio por benevolência; 
guerra por paz; 
medo por serenidade; 
tédio por alegria de viver; 
prazeres por felicidade; 
astenia por vibração; 
vício por liberdade; 
vazio por plenitude; 
mentira por verdade; 
desejos por vontade; 
agitação por quietude; 
desvarios por sobriedade; 
dependência por auto-suficiência; 
brutalidade por refinamento; 
angústia por segurança; 
fragmentação por unidade; 
doença por higidez; 
ociosidade por ação fecunda; 
embotamento por criatividade; 
distância de Deus por eucaristia; 
apego por renúncia; 
hipocrisia por autenticidade; 
ressentimento por perdão; 
fragilidade por invencibilidade; 
passividade por cooperação; 
mendicidade por doação; 
cobiça por desapego"


Prof. José Hermógenes
Trecho retirado do livro "Yoga para Nervosos"

segunda-feira, abril 16, 2012

Aborto do Anencéfalo

Mensagem de Joanna de Ângelis, psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco

Todos os recentes governos ditatoriais e arbitrários iniciaram as suas dominações extravagantes e terríveis, tornando o aborto legal e culminando, na sucessão do tempo, com os campos de extermínio de vidas sob o açodar dos mórbidos preconceitos de raça, de etnia, de religião, de política, de sociedade...

A morbidez atinge, desse modo, o clímax, quando a vida é desvalorizada e o ser humano torna-se descartável.

As loucuras eugênicas, em busca de seres humanos perfeitos, respondem por crueldades inimagináveis, desde as crianças que eram assassinadas quando nasciam com qualquer tipo de imperfeição, não servindo para as guerras, na cultura espartana, como as que ainda são atiradas aos rios, por portarem deficiências, para morrer por afogamento, em algumas tribos primitivas.

Qual, porém, a diferença entre a atitude da civilização grega e o primarismo selvagem desses clãs e a moderna conduta em relação ao anencéfalo?

O processo de evolução, no entanto, é inevitável, e os criminosos legais de hoje, recomeçarão, no futuro, em novas experiências reencarnacionistas, sofrendo a frieza do comportamento, aprendendo através do sofrimento a respeitar a vida...

Compadece-te e ama o filhinho que se encontra no teu ventre, suplicando-te sem palavras a oportunidade de redimir-se.

Considera que se ele houvesse nascido bem formado e normal, apresentando depois algum problema de idiotia, de hebefrenia, de degenerescência, perdendo as funções intelectivas, motoras ou de outra natureza, como acontece amiúde, se também o matarias?

Se exercitares o aborto do anencéfalo hoje, amanhã pedirás também a eliminação legal do filhinho limitado, poupando-te o sofrimento como se alega no caso da anencefalia.

Aprende a viver dignamente agora, para que o teu seja um amanhã de bênçãos e de felicidade.


Joanna de Ângelis
(Mensagem psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, na reunião mediúnica da noite de 11 de abril de 2011, quando o Supremo Tribunal de Justiça, estudava a questão do aborto do anencéfalo, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia.)

segunda-feira, janeiro 16, 2012

THRIVE: O que será necessário?

O que é necessário para o ser humano prosperar?

THRIVE levanta o véu sobre o que está realmente acontecendo no nosso mundo, seguindo o fluxo superior do dinheiro - revelando a consolidação de poder global em quase todos os aspectos de nossas vidas. Conectando avanços científicos, consciência e ativismo, THRIVE oferece soluções reais, nos fortalecendo com estratégias inovadoras e ousadas para reivindicar nossas vidas e nosso futuro.

 

segunda-feira, janeiro 09, 2012

Wagner Borges - Programa Papo de Vanguarda

Entrevista muito boa sobre experiências fora do corpo e vida após a morte.



Nesta segunda parte Wagner explica a diferença entre os ambientes espirituais como o Umbral e o plano sutil das colônias (como Nosso Lar, por exemplo).



As religiões ajudam ou atrapalham o desenvolvimento espiritual?
Quem me receberá no plano espiritual quando eu morrer?



Mais em: http://www.ippb.org.br/

sexta-feira, novembro 04, 2011

Levitação Quântica

Tecnologia mostrada no filme "Nosso Lar" já está em desenvolvimento




Em uma cena do filme é mostrados o aeróbus, meio de transporte utilizado na colônia "Nosso Lar", e ele move-se justamente a partir deste fundamento, mostrado no vídeo cortesia da Associação de Centros de Ciência e Tecnologia (ASTC). Para saber mais, visite www.astc.org.

A Universidade de Tel-Aviv demonstra supercondutores bloqueando um campo magnético (www.quantumlevitation.com). Para uma explicação sobre a física por trás dessa demonstração, visite www.quantumlevitation.com/levitation/The_physics.html

quinta-feira, outubro 27, 2011

José Alencar

O homem que fez o Brasil todo lutar contra o câncer

Desde quando o senhor sabe que, do ponto de vista médico, sua doença é incurável ?

Os médicos chegaram a essa conclusão há uns dois anos e logo me contaram. E não poderia ser diferente, pois sempre pedi para estar plenamente informado.

A info
rmação me tranquiliza. Ela me dá armas para lutar. Sinto a obrigação de ser absolutamente transparente quando me refiro à doença em público. Ninguém tem nada a ver com o câncer do José Alencar, mas com o câncer do vice-presidente, sim. Um homem público com cargo eletivo não se pertence.


O senhor costuma usar o futebol como metáfora para explicar a sua luta contra a doença. Certa vez, disse que estava ganhando de 1 a 0. De outra, que estava empatado. E, agora, qual é o placar?

Olha, depois de todas as cirurgias pelas quais passei nos últimos anos, agora me sinto debilitado para viver o momento mais prazeroso de uma partida: vibrar quando faço um gol. Não tenho mais forças para subir no alambrado e festejar.


Como a doença alterou a sua rotina?

fotoMineiro costuma avaliar uma determinada situação dizendo que "o trem está bom ou ruim". O trem está ficando feio para o meu lado. Minha vida começou a mudar nos últimos meses. Ando cansado.

O tratamento que eu fiz nos Estados Unidos me deu essa canseira. Ando um pouco e já me canso. Outro fato que mudou drasticamente minha rotina foi a colostomia (desvio do intestino para uma saída aberta na lateral da barriga, onde são colocadas bolsas plásticas), herança da última cirurgia, em julho.

Faço o máximo de esforço para trabalhar normalmente. O trabalho me dá a sensação de cumprir com meu dever. Mas, às vezes, preciso de ajuda. Tenho a minha mulher, Mariza, e a Jaciara (enfermeira da Presidência da República) para me auxiliarem com a colostomia. Quando, por algum motivo, elas não podem me acompanhar, recorro a outros dois enfermeiros, o Márcio e o Dirceu. Sou atendido por eles no próprio gabinete. Se estou em uma reunião, por exemplo, digo que vou ao banheiro, chamo um deles e o que tem de ser feito é feito e pronto. Sem drama nenhum.


O senhor não passa por momentos de angústia?

Você deveria me perguntar se eu sei o que é angústia. Eu lhe responderia o seguinte: desconheço esse sentimento. Nunca tive isso. Desde pequeno sou assim, e não é a doença que vai mudar isso.


O agravamento da doença lhe trouxe algum tipo de reflexão?

A doença me ensinou a ser mais humilde. Especialmente, depois da colostomia. A todo momento, peço a Deus para me conceder a graça da humildade. E Ele tem sido generoso comigo. Eu precisava disso em minha vida. Sempre fui um atrevido. Se não o fosse, não teria construído o que construí e não teria entrado na política.


É penoso para o senhor praticar a humildade?

Não, porque a humildade se desenvolve naturalmente no sofrimento. Sou obrigado a me adaptar a uma realidade em que dependo de outras pessoas para executar tarefas básicas. Pouco adianta eu ficar nervoso com determinadas limitações. Uma das lições da humildade foi perceber que existem pessoas muito mais elevadas do que eu, como os profissionais de saúde que cuidam de mim. Isso vale tanto para os médicos Paulo Hoff, Roberto Kalil, Raul Cutait e Miguel Srougi quanto para os enfermeiros e auxiliares de enfermagem anônimos que me assistem. Cheguei à conclusão de que o que eu faço profissionalmente tem menos importância do que o que eles fazem. Isso porque meu trabalho quase não tem efeito direto sobre o próximo. Pensando bem, o sofrimento é enriquecedor.


Essa sua consideração não seria uma forma de se preparar para a morte?

Provavelmente, sim. Quando eu era menino, tinha uma professora que repetia a seguinte oração: "Livrai-nos da morte repentina". O que significa isso? Significa que a morte consciente é melhor do que a repentina. Ela nos dá a oportunidade de refletir.


O senhor tem medo da morte?

Estou preparado para a morte como nunca estive nos últimos tempos. A morte para mim hoje seria um prêmio. Tornei-me uma pessoa muito melhor. Isso não significa que tenha desistido de lutar pela vida. A luta é um princípio cristão, inclusive. Vivo dia após dia de forma plena. Até porque nem o melhor médico do mundo é capaz de prever o dia da morte de seu paciente. Isso cabe a Deus, exclusivamente.


Se recebesse a notícia de que foi curado, o que faria primeiro?

Abraçaria minha esposa, Mariza, e diria: "Muito obrigado por ter cuidado tão bem de mim".




Assista a entrevista sensacional do José Alencar no Programa do Jô











José Alencar
*17/10/1931
+29/03/2011